sexta-feira, 31 de julho de 2009

O Pamela

Eu sinto que tô andando em circulos. Todos os momentos, tudo dá uma volta passando por fases que envelhecem sim, não se renovam. Uma eterna repetição de ideias, de sentimentos.
Aliás sentimentos esses que são os mesmos e só se alteram de relação pra relação.
Acho que lixo na lata se renova mais que esse ciclo nada auspicioso.
Tem tanta gente no mundo. Tem tanto ditado popular. E tudo fica rodando e envelhecendo.
Devo tá falando de velhice porque vou aniversariar, é. E peixe é peixe, boi é boi, mas peixe-boi é outra coisa.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

O qué que há (de novo)?

O tratamento para a maioria das mazelas sociais começa com a educação. Não é solução para problema nenhum saber o gabarito da questão se não houver conhecimento sobre a mesma. Nada de novo.
Não há interesse político interno ou externo e muito menos das camadas mais ricas (interesse econômico) em mudar as condições sociais e intelectuais daqueles que, de fato, só são úteis se mantidos estáticos e alienados por fim da sustentação da Vossa Senhoria, o ciclo do capitalismo. Fala-se dos pobres.
É, chega de papo manjado. Nem sei por que diabos inventei de escrever isso.